Blog

Idosos: Cuidados especiais

Publicado em 9 de maio de 2012 em News
Idosos: Cuidados especiais

Pacientes idosos, cuidados especiais

Embora representem cerca de 10% da população brasileira, as pessoas com mais de 60 anos respondem por um índice entre 30% e 40% das internações hospitalares. Doenças surgem ou se agravam com a idade e esses percentuais refletem no envelhecimento da nossa população e aumento da longevidade – 73 anos em média, mas com cada vez mais indivíduos vivendo até os 90, 100 anos, perto do chamado limite biológico. Este contexto que desafia as instituições e os profissionais de saúde, já que o processo de envelhecimento se dá de forma diversa em cada indivíduo e essas especificidades têm um grande impacto sobre os cuidados especiais que devem ser tomados com o paciente idoso.

Assim, a regra número 1 é identificar o perfil e histórico do idoso que será tratado, pois, mais que em outros grupos de pacientes, o tratamento individualizado é fundamental. Nessa faixa etária, muda até o conceito de ‘estar doente’. “As pessoas podem até ter doenças crônicas, como pressão alta e diabetes, entre outras. Mas se essas doenças estão controladas não causam nenhuma sequela, não limitam a funcionalidade, esse indivíduo é considerado saudável”, explica o Dr. Clineu de Mello Almada Filho, geriatra do Einstein.

Segundo o Dr. Fábio Gazelato de Mello Franco, cardiologista e coordenador médico da Unidade Vila Mariana do Einstein, os estudos mostram que a prevalência de idosos acima de 65 anos que têm mais de duas doenças varia de 60% a 90%, dependendo da população estudada. “O problema é que, se essas doenças não forem adequadamente controladas, irão resultar em sequelas, como no caso de um infarto ou um acidente vascular cerebral, que irão deixar o indivíduo limitado. O idoso é considerado doente quando perde a funcionalidade”, afirma o Dr. Clineu.

Na faixa dos 80 anos, apenas 20% dos idosos integram a categoria dos “saudáveis”, sendo boa parte deles beneficiada por uma genética favorável. A grande maioria, porém, é de “sobreviventes”, indivíduos que tiveram sequelas de doenças crônicas, foram tratados e sobreviveram a elas, embora com limitações funcionais e perdas na qualidade de vida. Este segundo grupo, no qual se incluem casos agravados pelas doenças neurológicas, como o Alzheimer e vários tipos de demências, é especialmente desafiador para os médicos.

Nesses pacientes, os sintomas e sinais de outra enfermidade ou intercorrência clínica são atípicos, o que pode dificultar e retardar o diagnóstico correto. “O idoso pode estar com uma pneumonia, por exemplo, mas o que chama a atenção não é a tosse e sim o declínio do estado geral, as quedas, as alterações de comportamento, a confusão mental. É comum o médico ser chamado para atender um idoso com queixa de confusão mental e, na verdade, ele tem uma pneumonia, que está fazendo com que oxigene menos ou uma infecção urinária”, diz o Dr. Clineu.

Se o diagnóstico correto demora a ser feito, é retardado também o início da terapia adequada – um fato indesejável em qualquer caso, ainda mais em se tratando de pessoas já fragilizadas, com extrema redução da reserva funcional orgânica e, portanto, extremamente vulneráveis.

O Dr. Fábio chama a atenção, ainda, para um complicador adicional, de ordem emocional. Cerca de 25% dos idosos têm depressão ou algum tipo de desordem afetiva, o que torna importante a abordagem psicológica no cuidado desses pacientes. “O impacto disso no bem-estar e no controle de outras doenças é significativo. Entre outros aspectos, idosos deprimidos aderem menos ao tratamento medicamentoso, com evidentes prejuízos no controle das doenças”, observa o médico.

Evidentemente o grande contingente dos que precisam de atendimento hospitalar são justamente os idosos mais fragilizados, com maior comprometimento de suas capacidades. Isso requer cuidados especiais das instituições – do ambiente físico ao preparo das equipes médica e assistencial. “Idosos debilitados e com maior risco devem ser avaliados de maneira mais específica com o uso de escalas de avaliação para estabelecer com maior exatidão seu grau de vulnerabilidade – se realmente são frágeis, com reservas funcionais diminutas e com alto risco de piora funcional, complicações ou morte”, explica o Dr. Clineu. “Também são fundamentais procedimentos e vigilância redobrada para evitar quedas e interações medicamentosas, além de cuidados na escolha dos itens prescritos, considerando, por exemplo, as limitações da função renal associadas à idade”, observa o Dr. Fábio.Do ponto de vista das instalações físicas, banheiros adaptados, quartos amplos e iluminados, instrumentos adequados para deficiência auditiva ou visual (telefones com numeração destacada nas telas para idosos com alteração visual, por exemplo) são alguns recursos adotados.

Outro aspecto que merece especial atenção é o plano de reabilitação. “Não é incomum que pacientes idosos sejam internados por um problema clínico específico e acabem tendo desdobramentos funcionais tão significativos que determinam uma longa permanência no hospital. Dentro desse contexto, aparecem as complicações da internação prolongada, como, por exemplo, a presença de infecções hospitalares”, afirma o Dr. Fábio. Dessa forma, um plano de reabilitação executado por profissionais de diversas habilitações – fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais – é essencial para que esse idoso tenha condições funcionais de retornar para casa.

Em síntese, é ampla a gama de cuidados que o paciente idoso requer. E num país com o Brasil, em que as taxas de expectativa de vida são crescentes, os sistemas, instituições e profissionais de saúde precisam estar preparados para lidar com essa nova e desafiadora realidade. Em outra ponta, vale insistir numa recomendação sempre valiosa: já que o envelhecimento é inevitável, melhor investir desde jovem em hábitos saudáveis e tratar as doenças crônicas logo aos primeiros sinais, que costumam aparecer na faixa dos 40 anos, bem antes de o indivíduo ser considerado um idoso.

fonte: Hospital Albert Einstein